terça-feira, 15 de julho de 2014

O "Castelo Rá-Tim-Bum" completa 20 anos e ganha um presentão do MIS-SP


(Foto ao lado: Eu, Luciano Amaral, Cao Hamburguer, Jésus Seda e Álvaro Petersen)







É verdade, gente! É um presentão para todo público essa exposição no MIS de São Paulo. Estupendamente bem produzida, ela convida os visitantes a uma bela e completa visita ao Castelo do Nino, Dr. Victor, Morgana e Cia.
O visitante inicia sua jornada com senha do Porteiro, as portas se abrem…  e pronto: você se sentirá dentro do verdadeiro Castelo Rá-Tim-Bum.

(Foto ao lado: Meu reencontro com o Gato Pintado na biblioteca do Castelo)











Hoje, dia 15 de julho tivemos a abertura para convidados e imprensa e foi muito emocionante o reencontro com vários colegas, personagens e lembranças de ótimos momentos vividos naquele Castelo.



(Encontrei em cima da mesa da escrivaninha da biblioteca essa foto que eu não conhecia, comigo e com o Gato, tirada na época das gravações.)




Em breve vou falar um pouco mais sobre o aniversariante do ano, mas agora vale o registro. Batalhe pelo ingresso (é… nem abriu as portas ao público é já é bem difícil conseguir ingressos…) e não perca. Diversão muuuito garantida para qualquer idade. Parabéns ao MIS e a todos que fizeram parte desse sonho, chamado "Castelo Rá-Tim-Bum"!


 (Foto ao lado, em cima: Eduardo Silva, Álvaro Petersen, Celeste, Jésus Seda e Kiko Mistrorigo. Em baixo: Isabela Telles, Leila Maria, Eu e Teresa Athaíde)



Todas fotos acima são de Joyce Roma. (Ao meu lado na foto abaixo)


sexta-feira, 16 de maio de 2014

Jim Henson

Há 24 anos anos perdemos um gênio, muito especial e muito a frente de seu tempo.
Uma data como essa não se comemora.
Se lamenta.
Valeu grande mestre!

Foto da internet. Infelizmente não havia créditos.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Feliz aniversário Cocoricó!!!

E olha só… hoje, 01 de abril de 2014 nosso Cocoricó atinge a maioridade.
Quem diria?
Pois é, há 18 anos, numa segunda-feira estreavam nossos queridos personagens da fazenda.
Hoje não estamos gravando, é verdade, mas nossos amiguinhos de espuma estão tão vivos quanto em 1996.
Passamos por algumas gerações, continuamos passando e ao que dizem, encantando e deixando boas lembranças.
Olhando lá para o início só tenho uma certeza: é muito bom poder se orgulhar do que se faz.
Parabéns à toda imensa família "Cocoricó"!
A todos que passaram por lá, por muito ou pouco tempo, mas sempre buscando fazer um programa melhor.
E abaixo um 'momentim' especial pra mim… o Júlio batendo um papo rápido comigo.


quarta-feira, 19 de março de 2014

Finalmente… Zico & Júlio juntos!

Finalmente o Júlio do "Cocoricó" e o Zico se encontraram…
Ainda não foi para gravar um bate papo entre eles, mas o primeiro passo já foi dado.
O encontro aconteceu minutos antes do Cartão Verde, da TV Cultura, nesse dia 18 de março.
Parabéns ao Vladir Lemos e ao Rivellino. O programa está melhor a cada dia!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Cocoricó mundo afora...

Agora à pouco vi uma postagem da minha querida amiga  e colega de trabalho Neusa de Sousa no Facebook, onde ela apresentava um episódio do Cocoricó exibido pela Vive TV da Venezuela.
Assistindo ao episódio, além da saudade, fiquei com muita vontade de escrever um pouquinho sobre o programa, alguns episódios e sua trajetória pelo mundo.
Se não estiver errado foi mesmo a Venezuela o primeiro país a dublar e apresentar nosso programa.
O episódio em questão é um tanto triste porque abordamos o tema "perda".
Tema bem difícil de falar para nosso público mirim. Difícil, mas a nosso ver profundamente necessário, já que as crianças cedo ou tarde, provavelmente irão se deparar com essa situação.
Com um roteiro escrito de maneira brilhante e sensível pelo Márcio Araújo, tentamos mostrar que é importante conhecer e conviver com essa dor para depois superá-la.
Uma curiosidade desse episódio: todos, absolutamente todos clipes criados para o programa foram apresentados de maneira avulsa ou lançados em DVD, menos o dessa história porque além de triste, perderia totalmente o sentido apresentado fora do contexto. Segue abaixo o programa em sua versão venezuelana.
Outro país que ainda hoje exibe o Cocoricó em versão dublada é a Argentina no canal Pakapaka.
Vale registrar que não usaram a dublagem da Venezuela, já que consideraram o sotaque muito diferente, então foi criada uma versão portenha.
O episódio abaixo tem outro tema delicado: o cocô (já abordado outras vezes no programa, até com um clipe bem famoso). Nele, o Júlio começa um tanto ocupado no banheiro…
Até a Venezuela eu ainda não fui, mas tive oportunidade de visitar o canal Pakapaka na Argentina e ainda tive a honra de conhecer o dublador do Júlio: Facundo Reyes
Só pra concluir, hoje o Cocoricó é exibido pelo mundo em português, na versão original, pela Globo Internacional.  http://tvglobointernacional.globo.com/programas.aspx?sel=306



quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Ensaiando Garibaldo em 2007


Recebi esse vídeo de presente à pouco tempo, mas é de 2007, quando eu gravava a temporada do "Vila Sésamo". Eu adorei porque no dia nem sabia que estavam gravando, mas mostra uma realidade muito forte que vivi naquela época.
Aproveitava qualquer momento de espera para tentar ensaiar coisas para o Garibaldo fazer.
Vale notar que enquanto se fala de outra coisa no estúdio, eu estava lá, sozinho, me divertindo e tentando conseguir com que o Garibaldo desse um 360º no skate.
O mais engraçado é a mão para o alto, como se estivesse na cabeça dele.
Adorei.
Obrigado Marcio Mattos.

sábado, 25 de janeiro de 2014

Presentes, presentes e mais presentes...

Já falei algumas vezes de alguns presentes que a vida me dá.
Um dos mais importantes na minha vida profissional foi a honra de ter sido escolhido por Kevin Clash para "dar vida" ao Garibaldo, desde a versão brasileira de 2007, produzida pela TV Cultura.
Vila Sésamo chegou ao Brasil em 1972 numa produção Rede Globo/TV Cultura e foi inesquecível  para todos que viveram aquele momento.
Nos mesmos moldes do "Sésame Street" criado nos Estados Unidos três anos antes, a produção brasileira tinha um elenco primoroso: Aracy Balabanian, Sônia Braga, Armando Bógus, Flávio Galvão,  Manuel Inocêncio, Milton Gonçalves, Roberto Orosco entre outros.

Mas vale o destaque para o genial Laerte Morrone que deu vida ao primeiro Garibaldo.
Numa época em que nossa TV ainda era em preto e branco, nosso Garibaldo era azul, sem grandes tecnologias, dependendo totalmente do talento de seu ator manipulador.
E talento Laerte Morrone sempre teve de sobra.
Ele nos deu um Garibaldo genial, sensível, alegre e atrapalhado.
Inesquecível!!!
Anos depois, em 2007, a TV Cultura acertou com a Sesame Workshop uma nova temporada, menor e mais simples do que a primeira, mas não com menos responsabilidade.
Essa nova temporada teria apenas dois bonecos e um deles era exatamente o Garibaldo.
Com toda importância que esse programa teve na minha infância e até na minha vida profissional, é claro que eu queria muito participar de alguma maneira dessa nova temporada e o único caminho que se apresentou para mim era o de "dar vida" ao novo Garibaldo brasileiro.
Para tal foram abertos testes, com inúmeros candidatos e a pessoa responsável pela escolha seria ninguém menos do que o Kevin Clash.
Para quem não sabe Kevin é um dos mais importantes atores-manipuladores do mundo, responsável entre outros, por "dar vida" ao querido "Elmo" do "Sésame Street" e do "Bebê Dinossauro" da "Família Dinossauro".
Pois é… para resumir um pouco essa história, não só tive a honra de conhecer um grande ídolo que jamais tinha sonhado conhecer, como fui escolhido por ele para ser o novo Garibaldo.
Defendo esse personagem com todo amor possível e é uma grande honra interpretá-lo.
Nesse início de 2014 reencontrei com esse personagem tão querido para a realização de 17 pequenos vídeos e essas gravações já estão terminando, infelizmente.
Fica a vontade de "quero mais"!
Aliás, QUERO MUITO MAIS mesmo!
Se as palavras tem força, estão no ar…
Tomara que eu tenha novas oportunidades de me encontrar com esse grande e querido pássaro amarelo.
Por enquanto só me cabe agradecer…
a Deus ou ao destino, como queiram chamar.
Ao Laerte Morrone e Carol Spinney (Foto ao lado) o Big Bird original, pela fonte inesgotável de inspiração.
E Kevin Clash pela confiança.